Rádio

Através do rádio, comunicamos a Palavra!

Responsabilidade

Como cristãos, nossa responsabilidade é anunciar o Evangelho ao mundo!

O Caminho

Disse Jesus: 'Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida'!

Esperança

Deus nos oferece a vida eterna, a nossa esperança!

Nossa cidade

Vamos conquistar a nossa cidade para Cristo!

"Viva para Deus, o resto Ele completa". (Pr Márcio Batista)

O que você pode fazer


[…] me ponho de joelhos diante do Pai […] para que […] sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior. —Efésios 3:14,16

Está difícil conseguir o que quer da vida? Você acha que a economia, o governo, as circunstâncias ou outros fatores externos lhe roubam o valor e a alegria?

Uma agência de pesquisas de opinião perguntou recentemente a mil pessoas o que mais desejavam em suas vidas. A conclusão foi fascinante. Um total de 90 por cento de cristãos, que criam na Bíblia, disse que desejavam os seguintes resultados: um relacionamento íntimo com Deus, propósito claro na vida, alto nível de integridade e profundo comprometimento com a fé.

Repare que esses desejos são assuntos a respeito dos quais podemos agir sem receber qualquer ajuda humana externa. Nenhum programa de governo oferece assistência para alcançar esses ideais, e tempos de dificuldade econômica não podem roubá-los. Alcançamos esses alvos na vida à proporção que permitirmos que a Palavra de Deus venha reinar em nossos corações, e que recebamos a força do Espírito para estabelecer o “homem interior” (Efésios 3:16), resultando em verdadeira alegria.

Em nosso mundo conturbado é tentador colocar a busca pelo que desejamos nas mãos dos outros — esperar que outra pessoa preencha nossos desejos. Embora precisemos de ajuda algumas vezes, e não possamos viver em isolamento, não são as fontes externas que fornecem a verdadeira felicidade. Ela vem de nosso interior — ao permitirmos que Cristo esteja à vontade em nossos corações (v.17). —JDB

Se um mundo conturbado o deixa abatido, olhe para Jesus.

Autor: Dave Branon
Fonte: Pão Diário 2009

Sem a mínima chance


[…] maior é aquele que está em vós do que aquele que está no mundo. —1 João 4:4

Josué Hamilton era uma grande esperança do basquete profissional em 2004, mas foi suspenso por uso de drogas. Certa noite Josué teve um sonho que transformou sua vida, pois estava lutando com o diabo. “Eu tinha uma vara”, disse ele, “e cada vez que o acertava, ele caía e colocava-se novamente em pé. Bati nele até ficar exausto, mas ele continuava em pé.”

Depois desse pesadelo, Hamilton jurou ficar limpo. O sonho voltou, mas com uma diferença importante. “Eu batia [no diabo] e ele imediatamente tornava a levantar-se”, disse ele. No entanto, neste sonho Josué não estava sozinho, pois contou: “Olhei e vi Jesus lutando ao meu lado. Nós continuamos a lutar, e eu me senti cheio de forças. O diabo não tinha a mínima chance.”

A Bíblia diz que o diabo não tem a mínima chance porque o Espírito, que está em nós, é maior do que ele (1 João 4:4). Cristo veio para destruir as obras do diabo através da Sua vida, ministério e sacrifício (1 João 3:8). Jesus desarmou o diabo e triunfou sobre ele na cruz (Colossenses 1:13-14; 2:15).

Embora tenha sido derrotado na cruz, o diabo continua ativo neste mundo. Sua derrota final, porém, é certa (Apocalipse 20:7-10). Até lá, nós nos revestimos da armadura de Deus (Efésios 6:10-18), resistindo firmes contra ele pelo sangue de Jesus e por Sua Palavra. Ele não tem a mínima chance. —MLW

O diabo é um inimigo derrotado.

Autor: Marvin Williams
Fonte: Pão Diário 2009

Qual a mensagem da confiança?


Qual a mensagem da confiança quando não podemos explicar nossos problemas, ou enxergar além deles?

Ouvir os outros enquanto tentam demonstrar a fé em momentos de crise pode ser confuso. Alguns dizem que estão “crendo em Deus” para obter um trabalho, pela restauração da saúde, pela reconciliação no casamento ou pelo retorno de alguém que se afastou. Outros dizem que depender de Deus significa aceitar que os Seus caminhos não são necessariamente os nossos caminhos.

Na sala de espera da oração e do desamparo, concluí que perguntas sobre o que significa confiar em Deus podem ser tão difíceis quanto o problema em si. Também descobri que através dessas lutas reconhecemos a sabedoria contida na Bíblia.

Não seja muito exigente consigo mesmo. Os homens e mulheres mais piedosos do passado eram profundamente atormentados por crises em suas vidas. O rei Davi deixou de se alimentar e recusou o consolo enquanto insistia com Deus pela vida de seu filho moribundo (2 Samuel 12:16-17). Apesar de Davi ser um homem segundo o coração de Deus, as canções e gemidos de sua vida refletiam o medo e desespero recorrentes (Salmo 6:1-7). A experiência de Jó foi semelhante. Em suas escuras noites de perdas, suas primeiras demonstrações de confiança transformaram-se em amarga angústia (Jó 3). Lembramos também de Ana, a mulher estéril. As suas orações por um bebê eram tão profundas e cheias de emoção que o seu sacerdote acusou-a de estar bêbada (1 Samuel 1:13-15). O apóstolo Paulo tinha “grande tristeza e incessante dor no coração” por seus familiares e amigos não salvos (Romanos 9:2). Juntos, eles nos mostram que a confiança pode ser expressa através do choro, gemidos e até mesmo de dúvidas.

Espere não ser compreendido pelos outros. Em momentos de profunda perda e preocupação, mesmo os nossos melhores amigos tentarão descobrir o porquê das coisas nos acontecerem. Podem esquecer-se de que não se mede o sofrimento das pessoas pela proporção de seus erros. Alguns pagam rapidamente por seus erros. Outros não. Alguns sofrem por serem insensatos, enquanto outros são punidos por serem sábios (Salmo 73:1-14).

Tal ironia complicou a antiga tragédia de Jó. Quando seus amigos o ouviram expressando mágoa e desespero, presumiram erroneamente que ele estava sofrendo como consequência de um pecado secreto (Jó 4:1-9). Apesar de terem vindo compartilhar com ele a sua dor, acabaram multiplicando-a (Jó 16:2).

Não tenha medo de ser honesto com Deus. O idoso Abraão riu do absurdo contido na promessa de que Deus lhe faria o pai de muitas nações. Jacó lutou corporalmente com Deus sobre as incertezas daquilo que lhe aguardava. Davi expressou abertamente o seu desespero e incapacidade em circunstâncias além de seu controle. Jó acusou Deus de ser injusto. Quando os céus pareciam ignorá-los — se expressaram. Quando eles acharam que tinham um argumento disponível — o expressaram. Aprenderam a confiar em Deus no escuro vale de suas dúvidas.

Dê um passo de cada vez. Às vezes é melhor dividir a jornada em etapas menores. Jesus nos encorajou a não nos preocuparmos com o amanhã, pois o dia de hoje já tem suas preocupações, que são suficientes (Mateus 6:34). Na fragilidade das emoções turbulentas e oscilantes, talvez tenhamos que nos contentar com passos menores, com a sabedoria do momento (Tiago 1:5), e a sempre presente segurança daquele que diz: “De maneira alguma te deixarei, nunca jamais te abandonarei” (Hebreus 13:5).

Não seja autodestrutivo. Em momentos de decepção e aflição, devemos evitar paliativos que são prejudiciais ou autodestrutivos. Nenhum de nós pode concordar com vícios que apagam a dor por um momento, mas que complicam os nossos problemas em longo prazo. Há um momento para usar sedativos (Provérbios 31:6-7), pode-se usá-los em demasia causando graves danos a nós mesmos e aos outros (vv.4-5; 20:1). Também precisamos pedir a Deus que nos ajude a evitar descarregarmos a nossa ansiedade, ira, ou desespero em ouros ao nosso redor. Descarregar sobre os outros pode tornar-se hábito.

Não subestime Deus. Quando estamos incapacitados, Deus não está — e esta é uma das grandes verdades bíblicas. Um sábio disse: “Tenho certeza de uma coisa: Há um Deus. E não sou eu.” Se Deus não responde nossas orações no tempo e maneira que pedimos, é porque Ele pode ver o que nós não podemos. José aprendeu a confiar em Deus após ter sido vendido como escravo pelos seus irmãos mais velhos. Mais tarde, ao reencontrá-los em sua jornada, ele foi capaz de dizer: “Vós, na verdade intentastes o mal contra mim; porém Deus o tornou em bem…” (Gênesis 50:20).

Peça, mas não exija. Em circunstâncias desesperadoras, somos capazes de pensar que sabemos o que precisamos de Deus. Como uma criança pequena que não pode ser consolada, somos propensos a exigir dele o que queremos e quando queremos. Nesses momentos Deus compreende nossas fraquezas e medo. No entanto, Ele é Aquele que usa as profundezas dos maiores abismos, o poder das mais poderosas quedas d’água, ou o prodígio de uma noite estrelada para nos acalmar em Sua presença (Jó 38:41). O filósofo cristão Francis Schaeffer observa: “Quando estou na presença de Deus, parece profundamente sem sentido exigir alguma coisa” (Veja Jó 42).

Duvide de si mesmo. Jó finalmente atingiu o ponto de duvidar de si mesmo mais do que de Deus. Após ser lembrado do poder eterno e da capacidade infinita do Deus da criação, ele ajoelhou-se. Com seu coração quebrantado e aliviado, Jó disse: “Bem sei que tudo podes, e nenhum dos teus planos pode ser frustrado. Quem é aquele, como disseste, que sem conhecimento encobre o conselho? Na verdade, falei do que não entendia; coisas maravilhosas demais para mim, coisas que eu não conhecia […] Eu te conhecia só de ouvir, mas agora os meus olhos te veem” (Jó 42:2-5).

Oração
Pai da Eternidade, nós queremos confiar em Ti, mas às vezes nos sentimos tão confusos. Por favor, perdoa-nos por querer respostas para que não precisemos confiar em Ti. Obrigado por Tua grande paciência conosco. Por favor, ajuda-nos a ter a mesma paciência contigo, ao esperarmos para ver que os Teus planos e o Teu tempo são melhores que os nossos. Amém.

Autor: Mart DeHaan
Fonte: Pão Diário 2009

Vamos raspar as "barbas"


"Eu saí após ele, e o feri, e livrei o cordeiro da sua boca; levantando-se ele contra mim, agarrei-o pela barba, e o feri, e o matei" (1 Samuel 17:35).

A última decisão de Alexandre, antes de uma batalha, era que todos os seus soldados raspassem a barba. ele explicou: "Nada melhor que uma barba para se agarrar em uma briga."

Precisamos aprender essa lição. Ela é muito útil para a nossa vida espiritual. Devemos nos livrar das "barbas" que facilitam a nossa queda e destruição em uma batalha. As mágoas, os ressentimentos, as vaidades, o egoísmo, a inveja e tantas coisas semelhantes, apenas impedem o nosso crescimento espiritual e a nossa comunhão com o Senhor.

Ao nos esvaziarmos dessas "barbas" mundanas e malignas, o nosso maior inimigo não encontra brecha e nem pontos fracos para nos derrotar. Pelo contrário, ele se decepciona por não poder nos pegar em pontos fracos e acaba desistindo, procurando outros lugares mais propícios para atuar.

Quando estamos revestidos apenas do brilho do Senhor, da armadura espiritual que ele nos oferece como proteção, enfrentamos as batalhas sem correr o risco de fracassos. O Senhor está conosco, Ele é a nossa vitória completa.

Além das citadas acima, é bom raspar também as "barbas" da impaciência, da murmuração, da desesperança, das mentiras e muitas outras. Tudo isso deixa nosso semblante espiritual com um aspecto desagradável que embaça o fulgor da presença de Cristo em nós.

Você quer ser vitorioso em todas as batalhas? Quer glorificar o nome de Jesus em todas as circunstâncias? Quer ser uma bênção por onde andar? Quer ser um cristão autêntico e fiel? Raspe as barbas do pecado em sua vida e deixe a beleza de Cristo ser vista em você.

Eu tenho procurado raspar esses tipos de "barba". E você?

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Aprender para ensinar


"Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele" (Provérbios 22:6).

Um homem estava caminhando sobre a neve quando ouviu a voz de seu filho mais velho dizendo: "Vou seguir o mesmo caminho do papai". Ele estava se esforçando para fazer o que disse e seus dois irmãos mais novos faziam o mesmo. O homem foi à reunião de oração da igreja, naquela noite, com o pensamento: "Se meus filhos querem me seguir em um caminho de neve, eu os conduzirei no caminho do Céu."

Temos, verdadeiramente, nos esforçado para conduzir nossos filhos nos caminhos de Deus? Temos procurado ser exemplo para que suas atitudes agradem ao Senhor? Temos deixado o Senhor nos guiar, para que sejamos capazes de guiar os nossos filhos?

O que Deus espera de nós, nesta vida, é que mostremos um testemunho santo, baseado em Sua Palavra. E se buscamos agradar a Deus em nossas atitudes, certamente seremos bênçãos para toda a nossa casa.

A Bíblia nos diz que devemos ensinar a criança no caminho que deve andar. E como ensinaremos se não soubermos andar pelo caminho de Cristo? E como nossos filhos aprenderão a glorificar e engrandecer o nome do Salvador se o nosso ensino estiver errado? Como poderemos desejar que sigam ao Senhor se andarmos por outros caminhos?

A mesma verdade serve para os nossos outros parentes, para os amigos, para os colegas de estudo e de trabalho, para os vizinhos e qualquer outro tipo de pessoa. Se o nosso caminhar for bom, seremos seguidos. Se as nossas atitudes forem positivas, seremos imitados, se formos uma bênção nas mãos de Deus, muitos serão abençoados por nossa causa.

E se queremos ser usados pelo Senhor, se queremos que as pessoas a quem amamos conheçam o caminho do Céu através de nós, coloquemos nossas vidas no altar de Deus e peçamos que Ele nos ensine a ensinar, que não nos deixe sair do Caminho, para que ninguém erre o caminho ao nos seguir.

Aprenda com Deus e poderá ensinar a todos o caminho da salvação.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Uma grossa bagunça


Um pequeno menino, certa noite, orou: "Querido Deus, espero que Você cuide bem de Você mesmo. Se acontecer alguma coisa com Você, todos nós estaremos metidos em uma grande e grossa bagunça!"

Apesar da ingenuidade do menino, ele falou uma coisa muito certa. Todos nós dependemos de Deus para tudo e, sem Ele ou sem Sua direção, nada podemos fazer, nenhuma decisão conseguiremos tomar e a lugar nenhum poderemos ir.

Sem Deus em nossas vidas não existe o verdadeiro amor. Sem a Sua graça e unção, não temos esperança ou fé. Sem a Sua proteção, não desfrutamos a verdadeira e tranquila paz.

Sem Deus não teríamos a bênção de um Salvador, as consolações do Espírito Santo, a certeza de que um lar está preparado no Céu para vivermos eternamente. Sem ele em nossos corações, sentimo-nos vazios e fracos, caminhamos desorientados e sem objetivos.

Existem muitas pessoas que vivem com a vida bagunçada, com a fé deteriorada, com as esperanças desfalecidas, com a felicidade arruinada. O que lhes falta? Uma vida consolidada no altar do Senhor, uma entrega total, uma confiança inabalável, virar as costas para as coisas fúteis do mundo a fim de poder olhar somente para Jesus.

Se queremos acabar com a bagunça e ter uma casa espiritual limpa e arrumada, precisamos abrir o coração para Cristo, deixá-Lo dirigir cada um de nossos dias, alegrar-nos ao fazer a Sua vontade.

Como disse aquele pequeno menino em oração, sem o Senhor você só terá bagunça em sua vida espiritual.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Temos sido ingratos?


"... e sereis filhos do Altíssimo. Pois ele é benigno até para com os ingratos e maus" (Lucas 6:35).

A Rede de Mulheres de uma determinada igreja ficou muito preocupada porque uma determinada irmã, viúva, não estava comparecendo às reuniões com suas três filhas pequenas. Após descobrirem que o motivo era a falta de roupas apropriadas, as mulheres se reuniram e compraram roupas e presentearam à família. Ao verificarem que as meninas continuavam não aparecendo na Escola Bíblica, nos fins de semana, procuraram a mãe para saber a razão da ausência. A mãe agradeceu às senhoras pelas roupas e disse: "As meninas ficaram tão bem com as roupas novas que eu as mandei para aquela outra igreja, onde todos se vestem melhor."

Muitos de nós somos assim -- ingratos. Não sabemos valorizar o que os outros nos fazem. Lembramos apenas dos defeitos das pessoas e não nos damos conta de quão boas e generosas elas são e nem de quantas vezes nos estenderam a mão. Sabemos criticar com grande facilidade e não sabemos agradecer quando é necessário.

Fazemos isso também com Deus! Pedimos e o Senhor nos dá. Pedimos novamente e mais uma vez somos agraciados pelas bênçãos do nosso Senhor. E isso se repete muitas vezes durante nossas vidas. Mas, quando um único pedido não é atendido -- e Deus sabe o que deve e pode nos dar -- fechamos o semblante, murmuramos, dizemos que Deus não se importa conosco e que só responde aos pedidos dos outros. Quanta ingratidão! Quanta ingratidão!

Deus é amor e se preocupa conosco... sempre. Nós é que o buscamos na hora das necessidades e o esquecemos quando não estamos precisando de mais nada. Vamos à igreja e nos ajoelhamos para pedir e não fazemos o mesmo para agradecer.

Quando precisamos de socorro -- corremos para a presença do Senhor. Quando não precisamos -- corremos para o mundo, para os prazeres enganosos, para o divertimento passageiro que logo acabará.

Apesar de todos os nossos defeitos, Deus sempre nos ouve. E nós, continuaremos a ser ingratos?

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Completamente sujos ou perfeitamente limpos


"... continue o imundo ainda sendo imundo ... e o santo continue a santificar-se" (Apocalipse 22:11).

Um jovem foi avisado de que no dia seguinte deveria ajudar na limpeza e arrumação de uma certa sala da empresa. Quando chegou, o chefe o criticou: "Você sabia que iríamos fazer um trabalho de limpeza e veio com camisa branca? Ao final você estará completamente sujo!"

Muitos cristãos, com as suas vestes brancas, lavadas pelo amor e perdão do Senhor, afastam-se da presença de Deus e, por isso, acabam perdendo a brancura da santidade que Cristo trouxe para suas vidas espirituais.

O verdadeiro filho de Deus procura viver longe das coisas do mundo. Ele quer conservar suas vestes limpas, brilhantes e santas. Ele quer continuar recebendo as bênçãos do Senhor.
Quer ver sua casa iluminada pela luz de Cristo. Quer desfrutar da vida abundante que o Salvador lhe trouxe e quer morar na casa celestial que o Pai preparou para ele desde a fundação do mundo.

Queremos a bênção de Deus durante todo o ano. Queremos que nossas vidas engrandeçam e glorifiquem o nome de Jesus.
Queremos chegar ao final do ano com motivos de louvor e gratidão a Ele. Queremos que nossas vestes jamais se sujem por nossa imprudência espiritual.

Quando andamos na presença de Deus, podemos usar nossas roupas brancas dadas por Cristo. Elas jamais ficarão sujas.

Suas roupas espirituais continuam brancas e limpas ou você as tem sujado quando se desvia do caminho do Senhor?

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Mãos limpas


"Se, porém, andarmos na luz, como ele está na luz, mantemos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado" (1 João 1:7).

Um pequeno menino, que morava em uma comunidade onde seu pai era pastor, estava brincando no quintal. Ele fazia tudo que um menino de sua idade costumava fazer. Ele subia em árvores, balançava-se em um pequeno balanço preso a um galho forte, rolava na grama abraçado a seu cachorro. Sua mãe o chamou para o jantar e toda a família se reuniu em volta da mesa. Ao entrar, sua mãe olhou para ele e disse: "Deixe-me ver suas mãos, meu jovem". Marcas de suas mãos ficaram em suas calças jeans antes de ele mostrá-las. Sua mãe olhou para elas e perguntou: "Quantas vezes eu tenho de lhe dizer para lavar as mãos antes de comer?" Quando suas mãos estão sujas, têm germes por toda parte e você pode ficar doente. Depois da oração, quero que vá para o banheiro para lavar suas mãos". Todos curvaram as cabeças e o pai orou pela refeição. Assim que terminou, o menino começou a sair da cozinha. Quando atravessava a porta, ele parou e, virando-se, falou para a mãe: "Jesus e germes! Jesus e germes! É tudo que ouço por aqui e não vi nenhum dos dois."

Muitos de nós somos como o menino de nossa historinha. Ouvimos falar de pecado e de Jesus e não percebemos nenhum dos dois! Vivemos no erro, destruímos nossas vidas nos vícios, caminhamos por lugares de destruição, fazemos tudo que desagrada a Deus e não enxergamos o pecado que nos domina. Da mesma forma, em qualquer das situações citadas acima, Jesus está presente, oferecendo perdão, transformação de vida, um caminho de bênçãos e felicidade, mas não enxergamos a presença do Senhor que nos ama e quer o melhor para nós.

Nossas mãos espirituais estão sujas e por mais que tentemos limpá-las -- na roupa, em uma toalha, no lavatório do banheiro, nas desculpas inventadas -- nada conseguimos. Só o sangue de Jesus, derramado na cruz do Calvário, pode nos purificar do pecado.

O que você deseja que seus olhos espirituais vejam, o pecado ao seu redor ou Jesus em seu coração?

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Tudo deve começar por nós!


"Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo" (1 Coríntios 11:1).

"Se você pretende ensinar a seus filhos em casa, é necessário que tanto você como seus filhos passem algum tempo em casa." (Wes Izzard)

Pensando nessa declaração do autor de nossa ilustração, eu comecei a meditar sobre ensinar o caminho do Senhor a nossos filhos, parentes e amigos. Como ensiná-los a estar na presença do Senhor se nós não nos preocupamos em passar, nós mesmos, um tempo diante de Deus? Como ensinar alguém a ler a Bíblia se nós só a lemos uma vez ou outra? Como ensinar nossos queridos a orar se nós passamos toda a semana sem um momento sequer de oração? Como ensinar às pessoas de nossa casa a ter uma vida brilhante se estamos sempre apagados?

Tudo deve começar por nós! Todas as bênçãos que queremos transmitir devem ser reais, em primeiro lugar, em nossas vidas. O nosso lar só terá a alegria do Senhor se nós tivermos a alegria do Senhor em nossos corações. Nosso local de trabalho só deixará de ser mundano se nós formos santos e obedientes ao Senhor. Nossos amigos, na rua, só serão alcançados pelo amor e salvação de Cristo se o nosso nome já estiver escrito no Livro da Vida.

Como poderei falar de algo que não conheço? Como levar alguém a ter fé se a minha confiança não existe? Como meus amigos poderão imitar o meu louvor se eu vivo murmurando o tempo todo? Se eu caminho longe de Deus, os que me seguem estarão longe também. Se minhas piadas, na roda da esquina, forem maliciosas e imorais, todos ao meu redor contarão as suas da mesma maneira. Se ao meu redor só houver trevas, todos que me acompanham estarão envoltos igualmente em trevas.

Mas não almejamos que seja assim! Queremos ser luz do mundo, ser conhecidos como filhos de deus, ser imitados por ter uma vida abençoada, ser seguidos por conhecermos o Caminho.

De mãos dadas com Jesus nós vamos iluminar o mundo, vamos espalhar bênçãos por onde passarmos, vamos ensinar a todos que conhecemos, o caminho da verdadeira felicidade.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

O Novo Ano


"... confio no SENHOR, sem vacilar" (Salmos 26:1).

"Você tem algum ressentimento que gostaria de remover de seu coração? Algum erro antigo que continua ferindo sua alma? Junte-os todos agora e atire-os para bem longe, quando o novo ano chegar. Os maus pensamentos são pesados e difíceis de levar, meu amigo, e a vida é muito curta, do princípio ao fim. Seja generoso consigo mesmo -- não guarde nada de ruim para depois, -- quando o novo ano chegar."

Faltam poucos dias para a chegada do novo ano. O que estamos guardando para ele? As mágoas, as frustrações, as lutas incessantes, as angústias de todo o ano anterior, as incertezas acumuladas, os choros e as esperanças perdidas? Não! Com toda firmeza e certeza, não!

As coisas passadas e ruins devem ficar para trás, queimadas na fogueira do esquecimento. Afinal, devem ter servido para nossa edificação, crescimento e fortalecimento espiritual.

O novo ano está chegando e devemos começar a exercitar nossa fé, a abrir os pacotes de nossas esperanças, a acender as lâmpadas das árvores de nossos sonhos, a plantar as sementes que nos possibilitarão colher os frutos de nossas bênçãos tão ansiosamente almejadas.

Quando o novo ano chegar, tudo será diferente. É isso que desejamos, é nisso que precisamos crer. O Senhor estará conosco, guiará nossos passos, segurará em nossas mãos, comemorará ao nosso lado cada uma das vitórias alcançadas.

Quando o novo ano chegar, nosso mundo será mais colorido, o sol brilhará com mais intensidade, haverá mais sorrisos em nosso rosto, a nossa felicidade por fim será completa.

Você continua guardando as decepções do velho ano ou já se desfez de tudo, deixando espaço livre para tudo de bom que Deus lhe dará no novo ano que já vai chegar?

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Ressentidos ou não?


"Filho meu, se o teu coração for sábio, alegrar-se-á também o meu" (Provérbios 23:15).

Em uma certa caricatura:
- Primeiro: Você crê que nossa moralidade é definida por nossas ações ou porque está em nossos corações?
- Segundo: Eu creio que nossas ações mostram o que está em nossos corações.
(Durante algum tempo o Primeiro reflete)
- Primeiro: Eu fico ressentido com isso.

O que nossas ações têm mostrado no ambiente em que vivemos? De que tem estado cheio os nossos corações? Como tem andado a nossa moralidade? O que a nossa vida espiritual tem sentido ao constatar o tipo de atitudes que o nosso coração tem produzido?

Quem tem Jesus no coração, tem prazer em falar das coisas do Senhor, de caminhar de maneira digna ao Seu lado, de ouvir Sua voz através de Sua Palavra, de falar com Ele a todo momento, de buscar Sua direção em todas as decisões a tomar, de mostrar brilho em todas as suas atitudes.

Se Cristo está em nossos corações, tudo o que fazemos mostra a Sua presença em nós. A nossa vida é plena de alegria e todos os comentários que fazem a nosso respeito nos agradam e nos edificam. Jamais ficaremos ressentidos, mesmo que nos "acusem" de ter o coração cheio de fé e amor, de pureza e santidade, de amor e esperança.

Nossas atitudes serão agradáveis, porque mostrarão o que existe em nosso interior. Nossas palavras serão abençoadas, nossas mãos serão amorosas, nossos pés serão formosos porque levarão salvação, nossos sorrisos motivarão os mais desanimados, as nossas orações transformarão vidas e lares.

O que existe em seu coração? Se não for o Senhor Jesus, convide-o agora mesmo para entrar.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Jesus Nasceu -- Feliz Natal!


"Porque um menino nos nasceu... (Isaías 9:6).

"A Palavra não se tornou uma filosofia, uma teoria ou um conceito para ser discutido, debatido ou refletido. A Palavra se tornou uma Pessoa para ser seguida, apreciada e amada!"

Está se aproximando o Dia de Natal. Uma data comemorada por todo o mundo cristão. Uma data onde as famílias se reúnem, onde presentes são trocados, onde muitos enfeitam suas mesas e iluminam casas e árvores. Uma data em que muitos esquecem as desavenças, as diferenças de opiniões, as brigas passageiras. Uma data onde o amor une e envolve pessoas por mais diferentes que sejam.

O que mais importa para nós nesse momento em que todos comemoram o Natal? Seria a data em si? Não! O que nos importa é que Jesus nasceu! O dia exato não nos interessa, e sim que -- Jesus nasceu! Nasceu para mim, para você, para todos que almejam deixar de lado os rancores do mundo, as incertezas momentâneas, os fracassos experimentados no passado, as mesas sem panetone ou iguarias típicas, as janelas sem sapatinhos e luzes coloridas. Nasceu para que encontrássemos muito mais do que tudo isso, para que olhássemos para a mesa e a achássemos adornada de bênçãos, para a janela e avistássemos as vitórias prometidas, para que deixássemos de murmurar e começássemos a cantar melodias de louvor e felicidade.

Jesus nasceu para que pensássemos menos em nós mesmos e mais nEle, no propósito de Sua vinda, nos perdidos que ele tanto ama. Jesus nasceu para que fôssemos felizes, não pelo que temos e sim pelo que somos -- filhos de Deus! Ele nasceu para que aprendêssemos a comemorar o Natal, não em um dia único de dezembro, mas em todos os dias do ano e de todos os anos de nossas vidas.

Jesus nasceu! Isto é Natal! Este é o nosso Natal! Glória a Deus nas alturas!

Feliz Natal para todos.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Você acredita?


"Eis que a virgem conceberá e dará à luz um filho, e ele será chamado pelo nome de Emanuel (que quer dizer: Deus conosco)" (Mateus 1:23).

Um incrédulo perguntou, certa vez, a um cristão: "Se eu dissesse a você que esta criança nasceu sem a intervenção de um pai humano, você acreditaria?" Depois de pensar um pouco, o cristão respondeu: "Sim, se ele fosse capaz de crescer e viver como Cristo". Em outras palavras, a vida sem pecado de Cristo, sua morte e ressurreição, nos fazem acreditar no seu nascimento de uma virgem.

Sim, nós cristãos cremos perfeitamente em Cristo, em Seu nascimento por obra do Espírito Santo, em Sua vida irrepreensível, em Seu ministério maravilhoso, nas curas que realizou, em Sua morte na cruz do Calvário, no perdão de pecados que trouxe a todos que nEle crêem, na Sua ressurreição e no juízo final, em que estaremos frente a frente com Ele, ouvindo-o chamar por nossos nomes, seguido de um "vinde bendito de meu Pai". Nós cremos e, por isso, temos nosso nome escrito no Livro da Vida, temos um lugar reservado para nós nos Céus, onde passaremos, com Ele, toda a eternidade.

Nós cremos e, por essa razão, temos fé em Suas promessas, uma esperança que nunca se acaba, uma alegria que jamais nos deixará, um amor no coração que nos possibilita testificar que somos filhos de Deus. Nós cremos, sim, e jamais deixaremos de crer. Queremos proclamar que cremos, brilhar para que outros possam também crer e encontrar a mesma felicidade em suas vidas.

Cremos que Deus escolheu Maria, uma virgem santa, humilde, obediente, para trazer ao mundo o Salvador, o Senhor dos Exércitos, o Rei dos reis, Aquele que dividiria a história do mundo em duas partes: AC - antes dEle e DC - depois dEle. Depois do nascimento de Cristo, o mundo não foi mais o mesmo, tudo se transformou, a Vida ressurgiu e a verdadeira alegria também.

Eu creio em Cristo, creio que nasceu de uma virgem, creio em Emanuel, o Deus conosco. Sim, eu creio... sempre crerei... sempre.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

Ousadia


"No qual temos ousadia e acesso com confiança, pela nossa fé nele". Efésios 3:12

"O jovem não sabe o suficiente para ser cauteloso e, por essa razão, ele tenta o impossível -- e consegue, geração após geração." (Pearl Buck)

Essa ousadia precisa ser verdadeira em nossas vidas espirituais. A covardia não nos leva a lugar algum. Só com muita determinação -- e coragem -- atingiremos nossos propósitos, realizaremos nossos sonhos, chegaremos ao lugar de nossa felicidade.

Só aqueles que lutam alcançam vitórias; só os que buscam com perseverança, encontram seus objetivos; só os que caminham sem desanimar podem chegar mais longe. Os covardes não herdarão os Céus, não verão os raios do sol após as tempestades, não conseguirão receber as bênçãos que o Senhor tem guardado para os que nEle confiam.

Os corajosos conseguem ultrapassar barreiras, animar os indecisos, acender as esperanças nos corações apagados. Os corajosos podem antever um sorriso, vislumbrar a luz no fim do túnel, atingir o pico das montanhas da incerteza. Os covardes choram, enquanto os corajosos cantam, param na primeira queda, enquanto os corajosos levantam quantas vezes forem necessárias, olham para baixo, enquanto os corajosos preferem olhar para cima.

O Senhor Jesus é a fonte da coragem. Com Ele jamais desanimamos, jamais murmuramos, jamais desistimos de lutar. Ele apaga as frustrações, anula as decepções, sepulta as dúvidas, nos diz: "Siga em frente" quando temos vontade de parar.

Sua vitória ainda não chegou? Coragem! Não desista! Ela está bem próxima.

Autor: Paulo Roberto Barbosa

A aventura do advento


E, no seu nome, esperarão os gentios. —Mateus 12:21

Ao redor do mundo, durante o período do Advento no calendário da igreja, os cristãos acendem velas. A primeira vela simboliza a esperança. O profeta Isaías disse que todas as nações porão sua esperança ou confiança em Cristo, o Escolhido de Deus (Isaías 42:1-4; Mateus 12:21).

Nós pensamos no Advento através da perspectiva de criaturas terrenas que não conhecem nada além desta vida. Regozijamo-nos por Jesus ter vindo nos visitar neste lindo planeta que Ele fez especialmente para nós. É importante, entretanto, lembrar que Jesus veio de um lugar melhor. Ele pertence antes de tudo ao céu, um lugar muito mais bonito do que jamais poderíamos imaginar.

Toda vez que penso a respeito de Jesus vindo a terra, também considero o fato de que Ele precisou deixar o céu para chegar aqui. Para Ele, a terra era um território hostil. Vir para cá era uma iniciativa arriscada e perigosa (Mateus 12:14). No entanto, Ele veio. Nosso Deus justo e compassivo se fez vulnerável à injustiça humana. O Criador do universo vestiu a roupagem da carne e veio experimentar em primeira mão como a vida aqui realmente era.

Jesus experimentou a morte por todos (Hebreus 2:9) para que pudéssemos experimentar a Sua bondade (1 Pedro 2:3). Ele deixou o esplendor do céu para nos levar à glória (Hebreus 2:10). Ele deu Sua própria vida para nos dar esperança de vida eterna. —JAL

Deus interferiu na história da humanidade para nos oferecer o dom da vida eterna.

Autor: Julie Ackerman Link
Fonte: Pão Diário 2009

O melhor dos dons


Graças a Deus pelo seu dom inefável. —2 Coríntios 9:15

Está difícil escolher o presente ideal para alguém? Um amigo me deu algumas sugestões:

O presente do ouvir. Sem interrupção, sem planejamento ou reação. Escutar, somente.
O presente do afeto. Ser generoso ao expressar o carinho adequado, e encorajar.
O presente do riso. Compartilhar brincadeiras e histórias engraçadas. Seu presente dirá: “Adoro rir com você.”
O presente de um bilhete. Expressar sua apreciação ou afeto em algumas linhas escritas à mão.
O presente de um elogio. Dizer sinceramente: “Você está tão bem, hoje” ou “Você é especial” com certeza trará um sorriso.

No entanto, ao começar este mês especial de celebração, porque não dar o melhor presente que você já recebeu? Compartilhe o fato de que “o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor” (Romanos 6:23). Ou transmita este verso em João 1:12: “Mas, a todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, a saber, aos que creem no seu nome.” Lembre aos outros de que “Deus amou ao mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo o que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (João 3:16).

O melhor de todos os presentes é Jesus Cristo. “Graças a Deus pelo seu dom inefável.” (2 Coríntios 9:15). —CHK

O melhor presente foi encontrado na manjedoura.

Autor: Cindy Hess Kasper
Fonte: Pão Diário 2009

Como encontrar Jesus


Aquele que não poupou a seu próprio Filho, antes, por nós o entregou, porventura não nos dará graciosamente com ele todas as coisas? —Romanos 8:32

Após o roubo de uma valiosa imagem de louça do menino Jesus, de um presépio em Wellington, na Flórida, EUA, as autoridades tomaram providências para evitar que os ladrões a levassem de lá novamente. Um noticiário da Imprensa informou sobre a instalação de um mecanismo de localização GPS, dentro da louça da imagem substituta. Quando a peça que representava o menino Jesus voltou a desaparecer no Natal seguinte, os agentes da polícia foram guiados pelo sinal até o apartamento do ladrão.

Existem momentos em que circunstâncias difíceis ou perdas pessoais podem nos fazer sentir como se Cristo tivesse sido roubado do nosso Natal. Como encontrar Jesus quando a vida parece estar contra nós?

Assim como um GPS espiritual, Romanos 8 nos guia ao infalível amor e presença de Deus. Lemos que o Espírito Santo nos ajuda em nossas fraquezas e intercede por nós (v.27). Sabemos que Deus é por nós (v.31). Temos também esta grande confiança: “Aquele que não poupou a seu próprio Filho, antes, por todos nós o entregou, porventura não nos dará graciosamente com ele todas as coisas?” (v.32). Por último, somos advertidos de que nada pode nos separar do amor de Deus em Cristo Jesus (vv.38-39).

Procuremos Jesus na manjedoura, na cruz, ressuscitado dentre os mortos, e em nossos corações. Estes são os lugares onde podemos encontrar Jesus, no Natal. —DCM

Se valorizarmos somente a festa do Natal, poderemos perder Cristo de vista.

Autor: David McCasland
Fonte: Pão Diário 2009

Proxima Pagina Página inicial